Todos nós sabemos que o Jesus não nasceu em 25 de dezembro. Na verdade as comemorações nessa época do ano são claramente inspiradas (usurpadas) do Yule, uma grande festividade que tinha início no final de dezembro e seguia até  janeiro, coincidindo com solstício de inverno no hemisfério norte. O Yule foi uma das mais importantes celebrações na europa pré-cristã e claro, muito dessa festa foi absorvida pela igreja para acabar com o paganismo.

Um dos maiores eventos dentro do Yule era chamado de Mōdraniht que traduzido do alemão significa Noite das Mães e era celebrado exatamente na véspera do que hoje é o Natal. Era uma celebração à maternidade, fertilidade, renascimento. Assim como ocorria em todas as religiões pagãs, os ancestrais masculino e feminino eram homenageados mas parece que o feminino desempenhava um papel muito mais importante: eram guardiãs da linhagem familiar, algo que tem muito a ver com esse tal de "espírito do Natal" né? A famiília toda reunida comendo bicho morto e aquele tio fazendo a famosa piada do pavê. Ahhh o Natal....

Em diversas partes da europa nessa época havia celebrações à deusas com algumas diferenças mas compartilhando de  similaridades como clima, costumes e língua. É o caso de Snegurochka que provavelmente tem origem em antigas religiões pagãs eslavas, talvez tenha sido uma deusa padroeira do inverno como a deusa nórdica Skaði ( a palavra Snegurochka deriva do norueguês).

Snegurochka (a pronúncia é mais ou menos assim: iznigurôtíca) é a figura feminina do Natal russo.
Aliás na Rússia não tem Papai Noel, lá o velhinho com roupa de frio chama-se Ded Moroz — a religião foi proibida durante o período soviético MAS a história e cultura do povo (camponeses) foi incentivada, assim surgiu esse cara. 
Pesquisem sobre Ded Moroz, não vamos falar sobre o macho que comanda a festa, vamos te contar um pouco sobre essa mocinha na grande celebração mundial que acontece esses dias e onde NÃO EXISTE uma figura feminina (até existe nas culturas nórdicas mas não com essa "cara de Natal" geralmente estão relacionadas diretamente à deusas pagãs ou foram "transformadas" em santas pelo cristianismo).

Snegurochka sobreviveu na cultura de seu povo mesmo depois do cristianismo assim como muitas deusas européias mas que foram diminuídas passando do "status" de deusas para fadas, fadas-madrinhas, etc. No século 19 os irmãos Grimm foram responsáveis pelo renascimento do folclore europeu, eles colecionavam contos populares antigos de língua-germânica. A "versão Grimm da Rússia" foi Alexander Afanasyev que preservou as histórias de seu povo. Assim a figura pré-cristã de Snegurochka sobreviveu à extinção cristã de deuses, deusas e culturas pagãs.

Na Rússia, Snegurochka acompanha seu avô Ded Moroz e distribui presentes no primeiro dia do ano (existe uma lenda específica (ou várias) sobre Snegurochka, é muito interessante e você vai fazer associações com a Elsa do desenho Frozen. Leia essa aqui. Snegurochka só "se juntou" com Ded Morov no período soviético, ok?).


A pergunta que não quer calar:

E se os católicos europeus que invadiram a américa latina (e a ditadura militar, no caso do Brasil) não tivessem feito esse ótimo trabalho de extermínio da cultura (e povo) indígena, como seria nossa versão de um representante natalino naturalmente brasileiro? Tupã seria nossa versão Noel (obviamente teria antes se transformado em "Santo Tupã") e Jaci sua ajudante? A paisagem seria mais verde e bem ensolarada, certamente. Como você acha que seria nosso Natal tropical?

Boas férias!

—Rússia? Como assim?
A gente ama a Rússia, um país que tem Chernobyl e não tem Papai Noel. Como não amar? Serve até de inspiração, clica aqui pra ver uma camiseta inspirada nos camaradas.

— Quero saber mais sobre as lendas indígenas do Brasil.
A gente dá a dica: o livro Nós: Uma antologia de literatura indígena foi organizada por Mauricio Negro mas as histórias são contadas por diversos autores, todos eles indígenas. É necessário. Aliás, já leu Ailton Krenak? Ideias para Adiar o Fim do Mundo - Leia!
Tem essa matéria aqui também.